[ editar artigo]

Se tudo é urgente, nada é urgente

Se tudo é urgente, nada é urgente

Recentemente vi um post no perfil @rpnsee no Instagram que me fez refletir: "Se tudo é urgente, nada é urgente."

Faz sentido, né?

Criamos a ideia de que, para ser produtivo, precisamos fazer várias tarefas o mais rápido possível, várias coisas ao mesmo tempo, que tudo é "para ontem".

Essa dinâmica imediatista mais atrapalha do que ajuda. Precisamos respeitar os processos de execução: complexidade, prazo, urgência, importância (não necessariamente nesta ordem).  

Eu já tinha o perfil de absorver muitas tarefas ao longo do dia e o período de pandemia evidenciou essa característica. Quanto mais tempo em casa, mais eu senti a necessidade de produzir, de ter a mente ocupada. E quando descansava, parecia ter algo errado, que eu deveria usar o tempo de descanso para fazer "algo de útil". E isso só aflorou as crises de ansiedade.

Mas descansar é tão importante quanto produzir. Querer dar conta de tudo é muito cansativo, não devemos nos cobrar tanto. 

Se estamos fazendo muitas coisas ao mesmo tempo, é provável que estas tarefas não sejam tão bem executadas do que se estivéssemos nos dedicando a uma tarefa por vez.

Precisamos respeitar os nossos limites.

Do meu artigo no Linkedin

COMUNIDADE EFEITO ORNA
Aline Santos
Aline Santos Seguir

Graduada em Relações Públicas, Coordenadora de Pesquisa de Mercado e de Opinião Pública. Paulistana, um pé no marketing e outro na inteligência de mercado. Fotografia, quebra-cabeça e pets têm lugar no meu coração.

Ler conteúdo completo
Indicados para você