[ editar artigo]

Precisamos ser uma coisa só?

Precisamos ser uma coisa só?

Vivemos de compartilhar histórias e a que trago hoje para vocês não é sobre mim, é a história de Maria Rita, não a cantora, mas a advogada e professora de ginástica rítmica, isso mesmo, você não leu errado, advogada e professora de ginástica rítmica.

Conheci Maria, em minha viagem para Portugal, no ano passado, ela é uma mulher cativante e tivemos o prazer de assistir palestras na Universidade Lusófona do Porto.

Começamos a conversar e ela contou que enquanto estava ali estudando, sua família e amigos estavam acompanhando os trabalhos da inauguração da sua escola de ginástica rítmica para crianças no Alagoas, sim, ela estava em outro continente estudando Direito e empreendendo em uma área completamente diferente no Brasil, AO MESMO TEMPO.

Ela desenvolve um ótimo trabalho em ambas as áreas, conquistando um espaço incrível e por não querer ser a melhor advogada e a melhor professora, acaba sendo, porque não deseja, ela apenas é.

A partir desse dia e por causa de mais uma penca de gente maravilhosa que conheci em Portugal eu descobri que a inquietação que eu carrego no peito não é problema, mas sim a solução. Sempre pensei que eu fosse alguém sem foco e que simplesmente não consegue seguir regras, ordens ou rotina, só que na verdade descobri um termo bem interessante para essa minha geração de profissionais, chama-se MULTI POTENCIAL.
 


Mas isso não permite que as pessoas pensem que eu não adquiro experiência em nada e que fico pulando de galho em galho??
 


Meu amor, irão falar muito, até o dia que perceberão que o que você faz é mais do que isso e vão ir te pedir conselhos, e vão querer saber como você realiza, para que eles possam fazer também e, então, sem perceber você será referência, não por querer, mas por simplesmente ser.

Apenas seja, não deseje, tenha medo e insegurança, porque isso vai lhe fazer pesquisar e conversar com pessoas mais experientes, mas não deixe de realizar, de postar, de compartilhar, de publicar, de viver e ser.

Hoje Maria está mestranda em Direito na Universidade Lusófona do Porto e seguirá inquieta e dominando a história que ela ousou construir. Ela está vivendo, aprendendo e ensinando muito sobre como encarar as dificuldades e julgamentos.

O mundo é das mentes inquietas, das Marias, das Anas, das Rebecas, das Bárbaras, de mulheres que simplesmente são, sem medo. Eu sei que você é assim, só falta mostrar para o mundo, conte a sua história, queremos ouvir.

COMUNIDADE EFEITO ORNA
Ana Carla Batista
Ana Carla Batista Seguir

Advogada. Redatora Jurídica. Pseudo filósofa. Artesã nas horas vagas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você