[ editar artigo]

Por que precisamos explorar nossa autenticidade, e como a roupa que vestimos tem total influência nessa busca?

Por que precisamos explorar nossa autenticidade, e como a roupa que vestimos tem total influência nessa busca?

 

Autenticidade é um tema que me faz brilhar os olhos.

Por estar sempre me informando de assuntos relacionados à moda e comportamento, admiro muito as pessoas que têm sua forma de viver autêntica, de acordo com aquilo que realmente acreditam e não dependem inteiramente de tendências para serem relevantes num determinado momento. 

Claro que a autodescoberta é um processo complexo, de vai e volta, dores, amores, e diversos sentimentos. Mas investir em autoconhecimento, crenças e valores pessoais é algo extremamente valioso, um processo infinito e que ninguém poderá tirar esse conhecimento de você, pois ninguém tem como ser você, ninguém viveu o que você viveu, e isso é o mais encantador de todo esse processo. Por mais que sigamos tendências (superficiais) ou tentemos viver estilos de vida senão os nossos, jamais seremos iguais à outra pessoa, e insistir nessa ação gera frustração a longo prazo.

O que a moda tem a ver com todo esse processo? 

 

“A moda tem que refletir quem você é, o que você sente no momento, e aonde você está indo”. Pharrell Williams

 

Se vestimos roupas todos os dias, se fazemos escolhas todos os dias, estamos falando de moda. Moda é comportamento! É como nos expressamos e o que temos para dizer ao mundo através de camadas de tecido e também pela forma que nos posicionamos perante às situações da vida.

Aproveito para indicar o artigo da Aline Calamita aqui no Linkedin Esqueça tudo o que sabe sobre moda, onde ela faz um breve resumo da história da moda e comenta sobre a importância de sermos mais presentes e conscientes no debate da moda atual.

E respondendo à questão, por moda ser comportamento e estar presente em toda nossa forma de expressão, precisamos ser verdadeiros na hora de nos vestirmos. Compreendo que nem sempre conseguimos expressar integralmente nossos valores, pois ainda temos algumas barreiras que nos impedem disso, como preços altos e acessibilidade, mas isso é uma discussão a parte. Então, o máximo que conseguirmos avançar e melhorar nossas escolhas diárias, já estaremos fazendo uma grande diferença na busca pela nossa autenticidade e também para o meio-ambiente, como, por exemplo, pesquisando sobre os processos de confecção/produção de uma marca, optando por peças de segunda mão, customização/upcycling, entre outras diversas formas de repensarmos a moda, que, com certeza, nos tornarão mais presentes e consequentemente mais autênticos, porque a autenticidade é, antes de mais nada, estarmos sobre nossa própria verdade.

 

“Não é cômodo pensar sobre todas estas questões. Sair do nosso lugar comum gera desconforto e exige paciência, mas tentar mudar hábitos de consumo que sejam prejudiciais, de uma maneira geral, talvez seja um dos poucos caminhos possíveis para seguirmos rumo a um mundo mais ético, sustentável e transparente.” Jennifer Vargas

 

Com o passar do tempo, vamos percebendo que esse grande nó vai se desfazendo, e o caminho vai ficando mais claro, tornando o processo mais fluido e natural. Eu, Marina, me considero no início desse processo, e posso dizer que nem sempre é agradável, pois os sentimentos de culpa, responsabilidade e “não verdade” estão muito presentes, pois como já disse no início, é um processo de autoconhecimento. O mais importante de tudo é manter a calma e entendermos que nem tudo é nossa culpa, mas que sim, temos responsabilidade nas nossas escolhas futuras a partir do momento que despertamos a consciência integral do nosso consumo. 

Recentemente foi lançado no Netflix um documentário sobre Michelle Obama, Becoming (Minha História), homônimo de sua autobiografia. Num curto trecho deste, foi comentado sobre a relevância da moda como ferramenta estratégica para fortalecer a imagem da Primeira-Dama, na época, e usar a moda para dar foco à fala e mensagem que Michelle precisava passar. Além desse trecho, super recomendo o documentário, é dinâmico, inspirador e carrega muito conteúdo relevante relacionado à tudo que representou o mandato de Barack Obama e a presença da figura feminina de Michelle.

Concluindo, o mais importante de tudo é respeitar o seu processo, estar presente nele. Pesquise sempre, acompanhe marcas, converse com pessoas que tenham um domínio maior do assunto, participe de palestras e afins. Nas referências, vou deixar indicações de conteúdos para você (se tiver interesse em iniciar esse processo), de forma leve, sem neuras, e peço que se alguém tiver indicações, por favor comente aqui para que a conversa fique mais relevante. Até a próxima!

Referências e conteúdos adicionais:

https://medium.com/@jennifer_vargas/https-medium-com-jennifer-vargas-consumo-consciente-quem-e-voce-na-fila-do-fast-fashion-f7556eafdee7

https://revistaglamour.globo.com/Moda/noticia/2019/11/quais-sao-marcas-e-atitudes-que-estao-mudando-o-jeito-de-consumir-moda.html

https://www.businessoffashion.com/

Livro: A moda imita a vida - André Carvalhal

Artigo/Entrevista - Even More e Ligia Baleeiro

http://evenmore.com.br/conversamos-com-ligia-baleeiro-sobre-pensar-o-estilo-para-mudar-o-consumo/

Artigo Linkedin Aline Calamita:  https://www.linkedin.com/pulse/esque%25C3%25A7a-tudo-que-voc%25C3%25AA-sabe-sobre-moda-aline-calamita/?trackingId=I7tLx%2FmcSvmQnPwhLUJwmQ%3D%3D

Documentário: Minha História

Imagem capa do artigo: JJ Jordan - http://See2Believe.redbubble.com

COMUNIDADE EFEITO ORNA
Marina Renaux
Marina Renaux Seguir

Olá! Sou uma designer experimentando o universo da escrita. Por aqui vou escrever sobre moda, comportamento, design e autenticidade. Vamos?

Ler matéria completa
Indicados para você